19/11/2015

[Report] Gamma Ray + Serious Black + Neonfly @ Paradise Garage


Muito se tem discutido acerca da vitalidade do Heavy Metal. Ao longo dos anos muitos já lhe anunciaram a morte, mas a noite da passado terça-feira (17 de Novembro) daria uma resposta inequívoca à questão, com uma multidão que se reuniu no Paradise Garage para participar na Best of The Best Party Tour, numa noite dedicada ao Heavy\Power Metal vincadamente old school

A noite começaria pelos mais jovens, mas os princípios da sua música remeteriam para os finais dos anos 80 início dos anos 90.
Os Neonfly praticam um Melodic Power \ Heavy Metal com escola nas grandes referências do género, por isso o público que se encontrava já dentro da sala (cerca de meia casa) recebeu-os desde logo muito bem, perfeitamente enquadrados nas sonoridades que levaram a hoste metaleira ao Paradise Garage.
Mal pisaram o palco ouviram-se aplausos e apesar de algumas dificuldades no som na fase inicial, o público aderiu facilmente e respondeu aos apelos vindos do palco. A sua música não tem nada de inovador, mas está recheada de bons pormenores, seja nos solos de guitarra, nos riffs acelerados, na boa voz de Willy Norton bem acompanhada nos backing vocals pelos guitarristas e baixista e no solido trabalho de bateria de Boris Le Gal. A setlist girou em torno dos álbuns “Outshine the Sun” (2011) e “Strangers in Paradise” (2015), tendo sido dedicado ao publico o tema ‘A Gift to Remember ‘ naquele que terá sido um dos momentos altos da actuação. Os Neonfly divertiram-se e divertiram o público, tendo merecido os aplausos que receberam quando deixaram o palco. 

Com a casa muito bem composta, chegava a vez dos Serious Black.

Este “supergrupo” congrega a experiência de músicos veteranos com passagem por bandas como Helloween, Blind Guardian, Tad Morose, Vision Of Atlantis, Dreamscape, Edenbridge entre outras, brindando o público com um Power Metal sólido, excepcionalmente bem executado em palco.
A comunhão banda e público foi quase instantânea, à grande entrega em palco, a plateia respondia com aplausos e headbanging com uma energia interminável. Urban Breed é um vocalista incansável, a sua prestação e os seus enormes pulmões fizeram o publico gritar pela banda enquanto instintivamente acompanhavam o ritmo das musicas com aplausos. A setlist foi dedicada ao único álbum lançado até ao momento “As Daylight Breaks” (2015) mas concedeu espaço para covers dos Kiss e Scorpions com as musicas ‘ I Was Made To Love You Baby’ e ‘ Rock You Like A Hurricane’. ‘Listen To The Storm’ fecharia uma atuação que terá agradado a todos os presentes. 


Casa quase esgotada para receber os Gamma Ray, ‘Heaven Can Wait’ mas o público não.

Ainda antes dos primeiros acordes da referida malha serem tocados já a plateia gritava e aplaudia em uníssono assim que se deslumbrou em palco Kai Hansen e companhia. Com a competência de veteranos o Heavy Metal encheu-o a sala e ao fim do primeiro tema era já uma certeza que teríamos um concerto memorável. Kai anunciou um segundo vocalista para assumir a função juntamente com ele e Frank Beck surgiu no palco, “apresentando-se” cantando ‘Last Before The Storm´. A plateia também afinava as vozes e nenhuma musica terá ficado sem o contributo do coro que surgia do público, acompanhando toda a setlist. 

Em modo Best Of seguiram-se ‘Fight’, ‘One With the World’, ‘I Want Out’ (que Kai fez questão de notar que era uma musica dele e não um cover), ‘Valley of the Kings’ e a balada ‘The Silence’ interpretada com emoção e recebida com emoção. Seguiu-se uma pausa, durante a qual Michael Ehré presenteou os presentes com um grande solo de bateria, após o qual se seguiu um solo de baixo, Dirk Schlächter é sem dúvida um grande baixista e fez questão de não deixar dúvidas sobre isso.


Regressaram com 'Dethrone Tyranny', e os headbangings e as air guitars ressurgiram, a temperatura subiu e o suor era a prova da entrega de todos os presentes. O público e a banda falavam a mesma língua, e era evidente a emoção entre todos os membros dos Gamma Ray, estampada nos enormes sorrisos que carregavam consigo, visivelmente agradados com a recepção que estavam a ter. Entre o público também era fácil encontrar reações difíceis de descrever, algo que 25 anos de ligação e experiências explicam transpondo a mais comum relação banda\fã. ‘Empathy’ e ‘Master of Confusion’ precederam um medley com as malhas ‘Rebellion in Dreamland’ , ‘Heavy Metal Universe’, ‘Ride the Sky’, ‘Somewhere Out in Space’ antes da banda se retirar novamente de palco. 

Voltaram para o encore e fecharam a noite com ‘Heading for Tomorrow / Avalon’ e Send Me a Sign´ despedindo-se sobre uma enorme ovação. 


O Paradise Garage foi palco de concertos com uma emoção especial, uma admirável prova de vitalidade do Heavy Metal, grandes músicos fazem grandes musicas, músicas intemporais. Longa vida aos Gamma Ray e ao Heavy Metal, os seus fãs garantem-lhes a imortalidade.

Texto: Henrique Duarte
Fotos: Nuno Santos (todas as fotos aqui)

Veja também: