06/08/2018

[Report] Laurus Nobilis Music Famalicão - Dia 1










A primeira noite finalizou em modo house music e foi a alegria dos locais, pois a entrada gratuita durante todo o evento trouxe-os à festa, mas foi desespero para os campistas, o estilo de música e o som altíssimo entrava como uma flecha pelo recinto das tendas, não permitindo sequer uma conversa quanto mais uma guitarrada entre amigos. Assim, todos recolhemos cedo ao aconchego dos sacos cama, sem a animação habitual.

Primeiro dia | Segundo dia | Terceiro dia


Após o frio e humidade e uma noite mal dormida, despertámos para um dia enublado e com os sentidos meio entorpecidos.
Ás 10 da manhã o sol já raiava fortíssimo e foi tempo de preparar e montar o spot relax debaixo de uma sombra das poucas árvores existentes. Pouco depois, com os aromas de café no ar, as cabecinhas dos campistas foram saíndo da toca e começou a azáfama dos cuidados matinais.


O sol queimava nas tendas e o pessoal viu-se obrigado a sair e dormir debaixo da sombra mas perto do meio dia, já a cheirava a almoço e os músicos que optaram por acampar estavam connosco reunidos em conversas com sotaque do norte, abraços e cumprimentos. A música vinda das guitarras acústicas pairava no ar criando o ambiente perfeito. Ao leme das cordas tivemos Miguel Seewald (Equaleft) e o JP guitarrísta dos Akroasis
Um grupo de pessoas fantástico ao qual quero aqui agradecer a irmandade e que foram a alegria que me acompanhou durante todo o evento! Bem hajam tribo!
Salvou-se assim com este grupo, a experiência do camping neste evento. Mas deixaremos o tempo e as condições do local para mais tarde.

Com a barriga cheia, vestimos a farda e fomos espreitar o palco Faz a Tua Cena pois nos checksounds despertou-nos a curiosidade para algumas performances e quisemos assistir.
Curiosamente foi melhor do que esperado e apesar dos desiquilibrios no som e interrupções pelos checksounds vindos do palco principal ao lado, as bandas que participaram tudo deram para aproveitar o seu momento de fama.
Os concertos, logo ao início da tarde com o calor, não tiveram muita afluência e por inexperiência ou fracas condições de som, correu melhor a uns do que a outros mas o mais interessante foi a diversidade que por ali passou, desde um rock puro dos Mind Crawler, um rock alternativo de Marco Araújo ao house e até, um duo local de Hip Hop os B- Quest, que finalizou o seu show com o tema 'Alibi' dedicado a um irmão de um dos elementos. Miúdos com um beat suave que entrou bem nestas tardes escaldantes! Foi por isso difícil fazer vibrar a crowd.

As vozes femininas estavam muito bem representadas também com Gurilla, um rock bem esgalhado mas sem surpresas e destacamos a performance dos Needle.
A jovem frontgirl com ar singelo em frente aos músicos algo nervosos, soltou os primeiros versos e de repente todos no recinto que estavam atentos, entreolharam-se. Uma garota com uma voz grave poderosíssima e com um rock fluído encantou a pequena plateia e virava as cabeças aos passantes.
Muito interessante a voz de Soraia Silva, fazendo até lembrar outras conhecidas do nosso panorama nacional num dos temas e que provocou alguns sorrisos, em quem conhece por exemplo Blame Zeus. Uma banda fresca com um rock progressivo muito catchy ao ouvido.

Em pouco tempo uma grande árvore, mesmo em frente ao pequeno palco, transformou-se no spot favorito pois oferecia-nos a sua sombra e o terreno um 'sofá' para um grupo considerável de pessoas que se juntou empunhando as primeiras cervejas e hidromel à pressão da tarde, enquanto outros se deixavam embalar pela música a animação. O calor apertava e a hidratação era necessária!
foto by Dan Vesca, Sotz

Havia um vai e vem de campistas e muitos regressavam com amigos para assistir às bandas e o mesmo sucedeu no dia seguinte com os Akroasis vindos de Aveiro, que explodiram com as guitarras em palco e provocaram o primeiro mini mosh da tarde. Apresentaram o seu trabalho de estreia e vocalista Jisus arrasou com o tema 'Fire is meant to burn' aproveitando todos ao máximo, a oportunidade. A energia em palco foi contagiante e os 20 minutos de fama soube-nos a pouco, mas os timings assim estavam feitos e tivemos de nos conformar. 
Os aplausos efusivos foram sinceros e a banda pode sem sombra de dúvida, orgulhar-se da sua prestação!

Aproveitamos para tirar uma foto de família!
Ao lado do palco encontrava-se uma estrutura artística em forma de caveira com vários quadros no interior, um decor interessante para o pequeno recinto em frente ao camping.

A tarde ardia em calor, o ar húmido pedia cervejas e estando perto da tenda muitos optaram por ir buscar a bela da portuguesa, para refrescar.

Seguiram-se os Regius ainda na tarde de dia 28. A banda apresentou-nos uns sons de rock sinfónico fundindo-o com metal mas cantado em português, que nos surpreendeu. A voz limpa de João Pedro, um de muitos dos baixistas-vocalistas do evento e o tecnicismo das guitarras na banda elevava com a ajuda do ritmo, o nosso interesse. O público animado acompanhou cada tema sem descolar da dança como no tema 'Terminus' e aplaudiu entusiasticamente no tema 'Ordem Regius'.

Foram curtos os concertos, durantes estas duas tardes escaldantes mas parabenizamos a iniciativa pois permitiu-nos ouvir música nova e com músicos de interessante mestria, renovando a expectativa que em Portugal existem boas bandas e esta região em especial tem vindo cada vez mais, a surpreender. Com efeito, foi um sucesso e hajam mais iniciativas semelhantes!

O recinto começava a encher de gente e apercebemo-nos que no meio haviam muitas famílias com crianças com quem conversámos pois o entusiasmo em frente ao palco foi bonito de se ver. Estavam prontos para seguir os nossos passos, assim o prometeram!
Uma característica interessante sentida durante todo o evento com a participação da comunidade local e outros de fora que também vinham ali apoiar os seus conterrâneos e divertir-se com a tribo!

Este evento, com entrada 75% grátis e com as portas abertas os 3 dias, teve o objectivo de angariar fundos para a construção da Casa do Artista Amador, promovida pela Associação Ecos do Louro. Podemos adivinhar que foi mais uma edição conseguida! Parabéns!
O saldo final não podia ser mais positivo pois o número 10 000 visitantes é de olhar com muito respeito à dedicação destas organizações e para o seu sucesso!


Foi tempo de voltar ao palco principal e assistir da esplanada ao final do concerto de Sotz, vindos do Porto.

O palco Estrella Galicia parecia estremecer com o  energético Dan Vesca, um reflexo da sua personalidade simpática, que tudo fazia para animar a malta que respondeu sem demoras em circle pit no tema 'Reborn' e com no tema 'Baak' que é o novo tema da banda retirado do EP  "Tzak' Sotz"  e contou com a participação do baterista Luís Moreira dos Nihility, Lyfordeath e dos In Vein que tocariam a seguir.

Os Sotz procuram baterísta mas não falham os seus compromissos e na irmandade encontram-se sempre soluções e com certeza deverá ser um privilégio subir a palco com estes monstros da música, que já têm a sua posição bem marcada no panorama nacional.

Um excelente e animado concerto mesmo com o sol a querer queimar!

Ainda debaixo dos guarda-sóis da esplanada assistimos entre dentadas de uma bifana ao concerto de In Vein, nossos 'familiares chegados' e foi bonito o reencontro.


O público exaurido com o calor arriscava pequenas intervenções na pista para rapidamente se afogarem na cerveja mais próxima: foi com esforço que a banda conseguiu manter a plateia a dançar com o seu 'Resurrect'.




Mas também foi irresistível com o tema 'Infinite Night' onde o vocalista viu os seus pedidos atendidos e provocaram um mini mosh/circle pit em reverência mas a rendição foi com o tema 'S.A.T.A.N.' onde levaram o parco público ao rubro!



Longa vida para estes rapazes que prometem arrasar durante muito tempo entre a tribo!

Seguiram-se os Nine O Nine, vindos da capital. Aproximava-se hora de jantar e este som entrava perfeitamente entre os presentes junto às bancas e sentados à sombra.


Ao contrário do que poderíamos pensar estavamos rodeados de pessoas atentas que entre comes e bebes iam apreciando o concerto um pouco mais abaixo.

Uma localização perfeita para que não perdêssemos pitada!

A banda trouxe-nos o seu trabalho de estreia 'The time is Now' e sendo composta por alguns dos músicos de renome na nossa praça as expectativas eram altas para assistir ao vivo.

Um rock melodioso encarnado pelo guitarrista Tó Pica e empoderado com Arlindo Cardoso na bateria focou-nos a atenção do início ao fim do tema 'Aquilam'. O tema 'The Rush' resultou em alguma dança, mas o sol teimava em não baixar e foi difícil estar junto ao palco.

Mais uma participação de excelência neste evento e uma bela forma de encerramento da tarde do 1º dia oficial.
Foi tempo de regressar à tenda e de novo buscar agasalhos, as noites durante o evento foram húmidas e frias e depois do mosh sentiam-se os calafrios.

A abertura do Palco Porminho, o único pago pelos visitantes, ficou encarregue aos hiper mega energéticos Hills Have Eyes!


Que festão vinha daquele palco e imediatamente o público já embalado aderiu em saltos em frente à banda!


Vindos de Setúbal entraram-nos pelo peito a dentro cheios de garra apresentando-nos o seu trabalho de 2015 'Antebellum' e temas novos como o explosivo 'Never Quit' que foi embalado em hino com o público e a banda de hardcore fez jus aos comentários ouvidos na plateia, uma banda ao mais alto nível de muitas estrangeiras, no seu género.




Esta banda tem tido um non stop de concertos e tours e depois do Resurrection Fest foram também um sucesso no Laurus


A banda prata da casa foi trazida por Equaleft, com a integração especialíssima do Director artístico do evento André Matos na sua formação, o multifacetado e eclético músico, baixista e contrabaixista conhecido na nossa praça não nos desiludiu e este grande concerto também teve a participação de Dan Vesca o irmão vocalista dos Sotz, com o seu growling num dos temas.


A malta estava em casa e sentiu-se a alegria da família que representou um circle pit no tema 'New False Horizons' enquanto a banda puxava pelo público ainda morno.


Miguel Inglês o vocalista, sentia-se nas nuvens e até cantou o tema 'Maniac' em modo crowdsurfing num concerto que foi subindo de ritmo e carregado em braços pelos seus fãs que também viu o seu 'Lord' a empunhar um sabre de luz para conjurar a horde a dançar em circle pits.


Mais que merecida esta recepção da plateia para uma das melhores bandas do nosso circuito e mais uma excelente performance com uma bela substituição de baixista, que não fez corar o anterior e virtuoso Miguel Seewald, que bem mereceu também a homenagem dos seus brothers em palco.

Fez-se um intervalo e veio a oportunidade da SFTD Radio realizar uma entrevista, pelo Henrique Duarte à emblemática banda, a quem agradeço também a sua especial colaboração e estávamos prontos para ver o concerto!


SepticFlesh é um nome de peso no circuito do nosso meio e a banda da Grécia, que já existe desde os anos 90 chega-nos agora, pela mão da Season of Mist, com o álbum lançado em Setembro do ano passado, o Codex Omega.


Depois de Titan em 2015 e mudança de baterista, este álbum é uma sublime demonstração de arte.
Este trabalho encantou muitos ao longo do ano e levaram a este evento centenas de seguidores.
O concerto iniciou com a chamada do mentor do evento José Aguiar e a banda respondeu à chamada com uma ambiência Atmospheric/Symphonic Death Metal a desarmar quem estava céptico e o público rendeu-se logo de início ao tema 'Portrait of a Headless Man' e ao 'The Vampire from Nazareth'.

Um concerto intimista e poderosíssimo ao qual ajudavam os decores de palco e a presença grave da banda. 
A cenografia marca o conceito de SepticFlesh e os movimentos em palco permitia pausas para entrarmos na sua dimensão negra e com um entra e sai dos músicos, a cadência foi a certa.
Repetentes em Portugal consideráram-nos do inicio ao fim do show como amigos, irmãos e irmãs e a plateia respondia em reverência. Foi uma partilha em negra sinergia, conjurando os deuses gregos  com temas como 'Prometheus' e 'Titan' que nos envolveu em headbang e movimentos pendulares.





Chegou o momento de falar sobre a tragédia na Grécia sua terra natal, o eloquente vocalista e a banda quiseram converter essa energia negativa em empoderamento. Assim convidou a plateia a unir-se em força num sentimento de respeito e entoamos em uníssono o tema 'Dante's Inferno' como que a exorcisar o medo e a furia das chamas, por nós tão bem conhecida. Um belo momento de união e irmandade sentida por todos. Depois de uma hora e meia de atuação ainda voltaram com um encore de duas músicas: 'Anubis' e a negra 'Dark Art' e a irmandade negra aplaudiu!



Tivemos também a primeira oportunidade de usufruir de um lugar especial colocado no recinto para a press, um autocarro adaptado com mesas e bancos e de onde fizemos o 1º directo no nosso Facebook.



O 'Entering Astral Realms' foi lançado especialmente pela a Metal Hammer & Heavy Metal, na sua passada edição No. 393 e faz uma viagem com a banda compilando os seus álbuns mais marcantes, foi composto e criado pelo jornalista grego, Sotiris Vayenas.
Uma viagem recomendada a quem deseja conhecer a criatividade, destes senhores do metal.



Depois deste sublime espetáculo foi tempo de encerrar o palco com Mata Ratos e a banda old school aproveitou cada centímetro de palco para nos dar o seu punk rock e temas sobejamente conhecidos, tal como a 'Minha Sogra é Um Boi.' Contudo estavamos em êxtase com o show anterior e aproveitámos o momento para ir petiscar e bebericar na esplanada e posicionando-nos para o último concerto no palco Estrella Galicia, dos WEB.

Mais uma banda old school que ao longe víamos que faziam as delicias dos presentes e a festa dos mais ébrios.
As honras de fecho da noite foi dada com chave de ouro à mão do radialista António Freitas e as suas selecções musicais que nos embalaram para o camping onde por pouco tempo continuou a festa pois as tendas já estavam molhadas e frio provocava arrepios.

Traremos mais histórias e aventuras do 2º e último dia do evento em breve!
Fiquem atentos!


Primeiro dia | Segundo dia | Terceiro dia

Texto: Stanana aka Ana Neves
Participação especial de; Henrique Duarte na realização da entrevista aos SepticFlesh
Fotos: Joana Marçal Carriço (todas as fotos do dia aqui)
Agradecimentos: Laurus Nobilis Music Fest

Veja também: