28/05/2018

[Report] Metal Keeper Fest II - a grande celebração Heavy Metal!

No passado dia 19 tivemos a oportunidade de presenciar a segunda edição do Metal Keeper Fest. A pareceria Galena Produções e Rock’n Raw Estudio foi mantida mais uma vez para nos oferecer uma festa de heavy metal de grande nível no Another Place em Almada

Com um dia de sol fantástico seria de esperar que a afluência inicial pudesse ser mais fraca, mas apesar da "moldura humana" ainda não estar completa, a sala encontrou-se bastante composta logo de início.

Wanderer, a banda portuense de heavy/speed metal formada em 2010 foi a primeira a subir ao palco, à hora prevista para abertura deste excelente festival.

Apesar de ainda só terem uma demo Will Of Steel e o EP Way Of The Blade esta banda é bastante apreciada pelos fãs do género. Com uma atuação consistente e de qualidade conquistaram o público tocando não só temas do seu EP mas também temas ainda não editados, como Dark Age abrindo-nos assim o apetite para o seu próximo trabalho.

Witchtower, banda andaluza formada em 2012, subiu ao palco para nos provar que o heavy metal old school está vivo e recomenda-se.

A banda vizinha principiou a sua performance com uma intro instrumental tocada de costas para o público. A empatia fez-se sentir de imediato. Uma calorosa e partilhada atuação que animou o espaço já bastante preenchido a esta altura. "Are you ready for heavy metal time? " A resposta foi dada com uma formação de hornsup e um coro de "Hail". Better Run e The Beast cover da antiga banda dinamarquesa Randy foram os temas mais marcantes deste fantástico concerto.


Voltamos a terras lusas com os Alkateya.
Esta banda lisboeta com um historial de quase 32 anos do heavy metal nacional já dispensa apresentações. Infelizmente o moroso soundcheck não surtiu o efeito desejado tendo a banda sofrido problemas técnicos uma grande parte da sua prestação. Dificuldades à parte, a banda foi bem-recebida pelo público e presenteou-nos com o seu tema ainda não editado Midnight Riders. Momento também de destaque para a subida em palco de Artur Almeida, vocalista dos Attick Demons para juntar a sua voz à de João Pinto na interpretação de Souls On Fire / Solta O Grito, um tema criado com objetivo de angariação de fundos para a União Zoófila de Lisboa. A banda terminou a sua atuação com o primeiro encore da noite com um tema já bem mais antigo Rock on, Roll out.


Também Attick Demons dispensam já apresentações, principalmente "a jogar em casa".
Com um heavy/power metal que foi tocado numa performance sólida e coesa fazendo "mexer a sala" do princípio ao fim, não apenas o clube de fãs mas todos os presentes que foram acompanhando os temas com aplausos. O poder em palco da banda e a sua simpatia criam de imediato um elo com um público que termina sempre rendido à sua prestação. Ghost e Endless Game serviram de pretexto para Artur Almeida reaparecer em palco com uma máscara e um capuz para interpretação destes temas. Let’s Raise Hell foi cantado conjuntamente com o público num micro partilhado.


Com a sua estreia em Portugal, os Killer foram sem sombra de dúvida a maior animação desta festa.
Oriundos da Bélgica e formados em 1980 são reconhecidos pela sua sonoridade NWOBHM de tal forma que durante a sua interpretação é quase impossível não comparar a similaridade da sua sonoridade com a dos emblemáticos Motörhead.  

Com uma consistência e um à-vontade de quem já anda há muitos anos "a virar frangos", Shorty e Jakke chegaram a sair do palco em Laws Are Made To Break para vir partilhar a sua música com o público, deambulando pela sala, subindo à mesa de snooker e passando pelo bar, com uma grande simpatia e boa-disposição. 

O público respondeu com um animadíssimo circle pit onde se assistiu a muito mosh e até algum crowsdsurfing. A energia foi sem dúvida partilhada entre público e banda e ambos foram imparáveis. Ainda um destaque para Back To The Roots cantado com a maioria dos presentes e o encore com Ace of Spades, uma expressiva homenagem a Lemmy.


TANK foi a banda escolhida para encerrar as festividades. Mais uma estreia de uma banda NWOBHM histórica e reconhecida, mas mais clássica e desta vez inglesa. 
Ficamos desde cedo impressionados com o vozeirão do recente vocalista David Readman que se mostrou completamente integrado na banda à medida que "viajávamos" pelos mais diversos temas compostos ao longo dos 38 anos da sua existência. 

Com um som exemplar e uma entrega total também eles tiveram uma grande receção por parte do público que apesar do avançar da hora teimava em não demonstrar sinais de cansaço. Destacaram-se os temas This Means War e Eye Of Hurricane tanto pela participação do público como pela exibição vocal de David. 

Apesar de não estarmos preparados para a despedida esta foi feita num encore com ( He Fell In Love With a) Stormtrooper terminando assim esta grande festa. Um grande bem-haja para toda a organização e staff pelo seu profissionalismo e entrega que se refletiu numa grande celebração do heavy metal com uma qualidade exemplar e uma intensidade indescritível. 


Hail!! \m/


Texto: Margarida Salgado
Fotos: João Moura/Metalpictures a quem muito agrademos a cedência das mesmas este report
Agradecimentos: Bruno (Rock n'Raw / Metal Keeper Fest)

Veja também: