27/11/2017

[Report] Alvalade Arise 2017


No passado dia 18 tivemos a 4ª edição de Alvalade Arise. Ao contrário de anos anteriores, a Junta de Freguesia decidiu suspender o seu apoio financeiro duas semanas antes do evento este ano, que vai, ( apesar de tudo ), doar parte da caixa aos Bombeiros Voluntários locais.


https://www.facebook.com/media/set/?set=ms.c.eJxFj9kNRDEIAztagTkS99~%3BYShB4nyOPTXISodRrDAru7xQHjHFJf~_x2QJjlMMqXyU0qdz6G9N7nd~%3B88zvZ1~%3BJC~_l3tfEpGps2~_1pzaslV~_sX3uYffd~_H9bvfjxWlp8y~%3BWYMo~_9T9z~%3BN9gfF9j3J.bps.a.762519173959029.1073742087.464049533805996&type=3
O evento teve início perto das 17h com Shredded To Pieces a abrir o “ bailarico”. Esta banda Bejense iniciada em Maio de 2012 tem variadíssimas influências que vão do metal ao grunge. O espaço estava um pouco vazio e o som necessitava de algumas melhorias. Ainda houve oportunidade para ouvir algumas covers.

De seguida, vindos do Algarve tivemos os M.E.D.O com o seu hardcore português que fez abanar as escassas cabeças existentes e que terminou a atuação com Ricardo Catarro a cantar junto ao público e com o som já ligeiramente melhor.

Disthrone foi a banda que se seguiu. Vindos do Seixal, a banda crust /d-beat entrou imparável e apesar de algumas questões com feedback, o som estava com grande qualidade. A energia desta banda foi tal, que a bateria sofreu um “ colapso “ e houve necessidade de um “ bombo-sitter ” no palco para garantir a continuidade do espetáculo. Por esta altura a plateia já se encontrava mais composta sucumbindo à voz do “furacão” Carina Domingues e iniciando assim um “moshzito“.

Voltando a terras alentejanas, vindos desta vez de Évora, sucederam- se os Mindtaker com o seu thrash metal old school. Esta banda teve início em 2012 e foi distinguida pela revista “Geração Arte”, na categoria de melhor vídeoclip, Drink Beer For Trash, em 2015 (que tivemos oportunidade de ouvir nesta atuação) e foram apurados em 2016 para a final do Wacken Open Air Metal Battle Portugal
Mais recentemente fizeram a abertura para Anthrax em Corroios e participaram no lançamento do álbum de Rasgo, no RCA. Também eles tiveram uma boa receção por parte dos presentes que responderam aos seus incentivos com algum mosh.

Estava assim terminada a primeira parte deste evento com a pausa para o jantar.

Legacy of Cynthia, a já conhecida banda Sintrense de alternative/progressive metal, iniciou a segunda parte deste evento, com Peter a trajar uma divertida indumentária de “ rena de Natal “. 
A atuação foi maioritariamente concentrada no seu último álbum Danse Macabre, mas a banda apesar do excelente som, estava com “malapata“ com o micro. Primeiro foi Peter que o perdeu aquando a sua já usual “dança sinistra”. Posteriormente quando estavam quase a terminar, o mesmo micro acabou por emudecer, tendo Peter que o trocar pelo do Caesar, para seguidamente descer do palco e finalizar a interpretação com Cabaret, na companhia do público, incentivando e levando- os para junto dele.

Quando Cryptor Morbious Family entrou em palco já se verificava a casa cheia. Novamente uma banda do Sul, desta vez de Grândola. Esta banda de industrial/death metal com cerca de 12 anos tem uma imagem peculiar e “industrializada“ com os seus membros usando máscaras e ”macacões futuristas“. 
Tivemos oportunidade de ouvir alguns dos temas do novo álbum The Pit of Infamy e ter mais um “incidente“, desta vez com uma corda, que foi rapidamente resolvido. Houve ainda a participação especial de Carlos Faias dos Smash Skulls que subiu ao palco para dar, literalmente “uma mãozinha  (neste caso duas) na bateria, formando uma dupla com Carlos Sobral. O público manteve-se atento e participativo durante a atuação e recebeu Tiago Tokinha num stage dive no final.

A banda lisboeta de hardcore Grankapo começou com o “pé esquerdo” ao ter problemas com os amplificadores que levaram primeiramente a um atraso no início seguida de uma curta interrupção do concerto. Problemas resolvidos e assistimos a mais um concerto brutalíssimo como já nos habituaram com a energia contagiante de Fuck, imparável em palco. 
Foram tocados temas dos álbuns Outcasts Won´t Fall, The Truth e Confessions e terminámos, como não poderia deixar de ser, com o tema Grankapo a ser cantado com o público. Por esta altura já havia muita animação na assistência.

Foi uma casa cheia e agitada que acolheu com entusiasmo Prayers of Sanity, os thrashers de Lagos que dispensam já apresentações, com uns consolidados 10 anos de existência. Desde o primeiro tema, Dead Alive, até ao último, Evil May Die, esta banda estava determinada não apenas a manter a animação da sala como a elevá-la. E o objetivo foi alcançado com sucesso no decorrer de um concerto com muito mosh e headbanging, numa onda de energia que principiava no palco propagando-se por um público alvoraçado.

Mata-Ratos é uma das lendas punk-rock nacional que conta com 35 anos de “ festa rija “. A banda que se escolhe sem hesitar para encerrar uma festa com copos, animação e uma pitada de desvario. No Alvalade Arise não foi exceção. As músicas foram cantadas com a participação do público frenético com uma entrega total. Um  prazeroso caos” de gente, musica e cerveja pelo ar.

E assim finalizou esta edição do Alvalade Arise que nasceu e têm-se mantido devido à teimosia de duas “ almas metaleiras ” que continuam a insistir em levar o metal nacional para Mimosa, Alvalade, Santiago do Cacém. Que a sua persistência continue por muitos anos !!

Texto: Margarida Salgado
As fotos foram gentilmente cedidas por Luis Sousa. Podem clicar em cima da foto de cada uma das bandas para aceder aos álbuns completos na página Luisousa Snapshot

Veja também: