20/06/2013

[Report] 10º Aniversário W.A.KO. + Primal Attack @ Rep. Música 15/06/2013 (c/vídeos)

2013 é ano de grandes datas no mundo do Metal português. Já apagamos as velas do 20º aniversário dos Bizarra Locomotiva como do 10º dos Switchtense. Chegou a vez dos W.A.K.O., ou We Are Killing Ourselves, numa noite onde não faltaram os temas chaves da sua carreira.

Se noutros tempos os W.A.K.O. eram referidos como uma das grandes promessas do metal em Portugal, hoje são consagrados dentro de um underground que passa por algumas difículdades. A sua carreira já é feita de belas memórias. Poderíamos relembrar o wall-of-death na abertura de Soulfly no Coliseu em Lisboa, ou talvez o final de tarde memorável no Festival Ilha do Ermal. Talvez as suas passagens pelas Rockline Tribe, e não relembro apenas o ultimo festival, ou com Breed 77,  recordo-me  de uma passagem pelo Santiago Alquimista onde deram a conhecer a muita gente o novo ponto de referência da noite do público rocker/metaleiro da capital.
Uma década de memórias que compõe um sonho começado em Almeirim e que se alastrou pelo mundo fora, com tours internacionais promovendo o metal português da melhor forma possível.

O encerramento do Ritz Clube ditou que esta celebração fosse deslocalizada para um espaço já bastante familiar dentro da família do underground lisboeta, a República da Música.
Se nos tempos áureos do nu-metal, a tal Geração X pós-Pantera enchia recintos, fazendo frente aos lendários concertos no Dramático de Cascais, e onde a entrega do público era suada, no presente comprovamos tempos menos hospícios a tamanha comunhão. Restam poucos mas bons!
Na passada noite de sábado temia-se uma sequência da realidade de outros eventos semelhantes. Apostou-se numa promoção constante, onde as redes sociais mais uma vez funcionam a favor das bandas underground. O chamamento constante de Nuno Rodrigues e Cª foi correspondido e os fans compareceram em peso.

Peso é de facto a melhor forma de caracterizar os dois concertos da noite. Em comum têm um público dado ao metal de nova geração, que busca muitas referências à nova vaga de metal norte-americano ( e não só). Estes têm a lição estudada e os seus ídolos não se prendem apenas a uns Metallica. São conhecedores de causa, e não contemplam sem o devido valor.

Os Primal Attack, nessa perspectiva, são dos melhores exemplos de novos projectos que buscam o carisma das grande bandas de groove, incontornavelmente comparadas aos Machine Head, aplicando a falta de dimensão à entrega mais familiar. O frontman, Pica, é de facto um dos melhores exemplos da versatilidade de um vocalista, que não se prende apenas aos tecnicismos demonstrando um nível de entrega apenas permitido a quem realmente tem gosto naquilo que faz.

O álbum de estreia "Humans" tem sido antecipado, concerto a concerto, e neste a banda avançou a data da sua apresentação para dia 19 de Julho, no mesmo recinto, com um belíssimo cartaz a condizer ( Switchtense; Revolution Within; Diabolical Mental State; Kapitalistas Podridão). Temas como « Not Enough», « Time to Reset» , «Mindwalker» e «No Respect» (solo muito ao estilo Jeff Hanneman)  são exemplos te temas de calibre que apelam constantemente ao headbanging com ritmos rápidos e breaks com secções rítmicas viciantes. « Despise You All» é já o tema chave da banda, sendo já bem reconhecido entre os presentes.

Cheio de influências do thrash moderno com o groove rasgado a pequenos  pormenores de Death, os WAKO conseguem encaixar plenamente no imaginário de exemplos como os Lamb of God, Gojira e até mesmo de uns Meshuggah. Esse feito pouco linear deve-se à capacidade de conseguirem transmitir as suas influências em composições que não se encaixam em rótulos demasiado definidos de forma única. Os temas são trabalhados de fio a pavio, sendo resultado de excelentes trabalhos de produção. Ao vivo, mais uma vez constatou-se que são "animais" de palco atacando uma setlist bem estudada ao longo da sua carreira, sabendo os timings perfeitos para atacar músicas já consideradas como clássicos do metal português da ultima década.
« Shape of Perfetion» abriu as hostes mais uma vez, tal como o faz no ultimo álbum da banda, «The Road of Awareness» .  "Soul be high, darkness fall when dreaming", cantaram os fans numa madrugadora «Eternal Spiral» relembrando os tempos em que os WAKO vingavam no mercado com o seu primeiro álbum de longa duração, «Deconstructive Essence» de 2007.
Estes dois álbuns foram os pilares de um concerto distante dos de 2003/2004, sendo fácilmente explicado pela evolução, em todas as frentes, da banda tanto como colectivo como individual - em termos técnicos provam ser músicos de grande nível.

Uma bomba lançada em «Dissonant Dark Dance» foi seguida de uma «My Misery» presentada como aquela balada que todas as bandas de metal têm de ter. A voz de Nuno é de tal forma grave que torna este tema algo singular.

 Uma sequência com «Drifting Beyond Reality», que têm conquistado novos públicos, «Abyss» que faz a vontade aos que os têm seguido à mais tempo, e um «Extispicium» que relembra temas mais old-school com a qualidade de produção de Josh Wilbur ( Lamb of God; Hatebreed) só poderia reflectir nos melhores momentos da noite onde as movimentações no pit fizeram-se sentir com direito ao já clássico Wall-of-Death. Este último com o convidado Daniel Cardoso (produtor) na bateria, que bem recentemente tinhamos assistido no concerto dos Kandia no Rock no Rio Sado. Para além de estar envolvido em alguns dos melhores álbuns metal portgueses, é também ele um músico multi-facetado. 
«Coronation of Existence» e «Unknown Life» foram os temas de despedida de um concerto que prova que João Pedro, a par do Neto dos Switchtense, relembram o imaginário de Dimebag Darrel e que aliado a André Sobral a cargo de solos de grande nível, perfazem uma dupla infalível. Na bateria o pedal duplo é uma constante, com Bruno Guilherme incansável. Nuno Rodrigues dispensa apresentações e a sua fama provém de uma capacidade única de projectar a voz sem grandes efeitos, não só em álbum como no palco.

A WAKO Army têm uma relação de proximidade com a banda, e Tiago Mesquita proporcionou um belo momento ao partilhar o palco com os seu ídolos a cargo da guitarra, num momento que certamente ficará perdurará na memória deste 10º aniversário.

Num futuro próximo os W.A.K.O. vão voltar a fazer uma tour por terras de Sua Majestade a par dos Breed 77 com quem partilharão o palco também em Portugal a 27 e 28 de Setembro, na República da Música em Lisboa e no Canecas Bar em Paços de Ferreira.

A Songs for the Deaf Radio deseja aos W.A.K.O. os parabéns por uma bela carreira que esperemos durar, pelo menos, outros dez com agendas preenchidas e novos álbuns ao nível dos primeiros! 
Stay Heavy , stay WAKO!! 
Texto: Tiago Queirós
Fotos: Nuno Santos (mais na página do facebook)
Videos: Tiaqo Queirós/ Nuno Santos

Mais vídeos:





18/06/2013

[Report] 2º dia Rock no Rio Sado 2013 - NOIDZ + Kandia + The Fuzz Drivers + Dream Circus (c/ videos)

O segundo dia de Festival era sem dúvida um momento de alto-risco na aposta da organização. De facto as bandas apresentadas não têm um estatuto mediático assinalável, e tendo a noção que a área geográfica não têm o poder de compra ou o nível demográfico lisboeta, parece impensável cobrar certos valores. Não se trata de descredibilizar o cartaz, mas apenas constatar como funciona o mercado de oferta e de procura.

13/06/2013

[Report] 1º dia Rock no Rio Sado 2013 - MOONSPELL + RAMP + Grog + Low Torque (c/ videos)

A primeira edição do Rock no Rio Sado era já à partida um risco assumido de forma orgulhosa pela organização. Apostar num cartaz 100% nacional, numa zona vincadamente afectada pelas dificuldades económicas que o nosso país atravessa, demonstrava um certo optimismo face ao evento em si. Juntemos uma dose de chuva, durante o dia, e uma "bela" e monótona  prestação da Selecção Nacional de Futebol no estádio da Luz em simultâneo com o horário de concertos (e com aqueles descontos em cartão Continente..). A coisa estava complicada...

Veja também: