23/07/2012

Reportagem Heavenwood + Noctem + Hate in Flesh @ Republica da Musica

 

Era ainda de dia quando chegámos à Republica da Música de Alvalade. Faltava já pouco tempo para a abertura das portas, mas pela quantidade de pessoas que estavam à espera, infelizmente apercebemos-nos de que este evento ia ter uma fraca adesão.

Assim, foi com poucas dezenas de pessoas a assistir que os Lunae Lumen, vindos do Alentejo, começaram a tocar uma versão do genérico da serie televisiva Guerra dos Tronos. Esta introdução até ajudou a atrair alguns indecisos mais curiosos para a frente do palco, mas pouco mais do que isso. Composta por 7 elementos, incluindo uma guitarra portuguesa, a mistura de sons desta banda é interessante, mas todavia notou-se pouca definição, chegando mesmo a haver algumas partes muito confusas ao longo do concerto. Sentiu-se muita vontade mas ficou a faltar um pouco mais de arte e engenho.

A segunda banda a pisar o palco, foram os Inffection. Estes começaram com um bom e seguro instrumental  e foram demonstrando alguma qualidade ao longo do concerto. A voz no entanto, começou muito alta e esteve um pouco aquém do espectável, apesar de sentir-se a entrega por parte do vocalista. Ficámos a saber posteriormente que este foi o primeiro concerto da banda, assim, e apesar da sua “juventude musical”, fizeram um bom trabalho. Terminaram com Against The World With Rage, tema dedicado aos nossos líderes políticos.


Foi chegada a vez do 'power' subir ao palco com os Hate In Flesh. Começaram com um tema novo e conseguiram atrair para a frente do palco os mais acanhados que se encontravam ainda dispersos pelo espaço. Os riffs de guitarra iam-se destacando nitidamente no meio das batidas enérgicas da bateria modeladas com um baixo definido e bem trabalhado. A energia irradiada do palco fez-se sentir muito bem pelos presentes. Terminaram com Mad Red Circle deixando o público a desejar por mais.

Set List:
Novo tema
Hate Me
Rebirth
Paradise
Novo Tema
My Last War
Mad Red Circle
Após um não muito longo intervalo, chegou a vez da aguardada banda do Porto, os Heavenwood, subir ao palco. Nesta altura já o espaço estava um pouco mais composto mas a contagem não chegava perto da centena. Começaram com o tema The Arcadia Order e foram tocando irrepreensivelmente os temas, como se estivéssemos a ouvir os álbuns. Mas no entanto, os problemas técnicos foram uma constante, especialmente com o vocalista, que teve problemas com o microfone, praticamente desde o início, o que pode explicar a inexplicável ausência de garra. Assim, juntando isto ao pouco público presente, podemos concluir que este não era nem foi o concerto que a banda e o público esperavam. Foi um concerto para esquecer, a própria banda partilhou que já algum tempo devia um concerto à cidade de Lisboa, mas não terá sido certamente esta actuação que satisfez essa ambição. Terminaram com Bridge To Neverland, e apesar de estarem com pouca vontade de voltar, ainda fizeram um encore com o tema, One Step to Devotion.

Set List
The Arcadia Order
Goddess Presiding Over Solitude
Flames of Vanity
13th Moon
Rain Of July
Fragile
Fading Sun
Morning Glory Clouds
Emotional Wound
Bridge To Neverland
Encore:
One Step To Devotion

Finalmente, os Noctem fecharam a longa noite. Entraram em cena com tudo, cheios de energia, poder e profissionalismo. No palco, e fazendo jus ao auto-intitulado estilo 'blackened death metal', estavam penduradas duas cabeças de cabra ensanguentadas. Todos os elementos da banda vinham caracterizados com as suas roupas negras e as partes do corpo que estavam expostas pintadas de vermelho, como se estivessem sanguinolentos. A energia fazia sentir-se, e os Noctem iam desfilando os seus rituais habituais em palco, tais como: trincar um coração de porco crú e mandar os pedaços para o público, ou beber líquidos vermelhos e espessos a simular sangue (ou não?!).  Mesmo não estando a tocar para muita gente, a entrega dos membros dos Noctem foi total e quem ficou a assistir dificilmente poderá dizer o contrário. Terminaram em grande com Religious Plagues, mas infelizmente sem direito a encore.
Set List
Intro
Invictus
The Arrival Of The False Gods
Across Heracles Towards
Abnegation And Brutality
Divinity
Interludio
A Borning Winged Snake
Cycles Of Tyranny
Divine Immundice
Under Seas Of Silence
Religious Plagues

Reportagem : Miriam Mateus
Fotos : Nuno Santos

Podes encontrar as fotos deste evento no nosso facebook e os vídeos no nosso canal YouTube :
Vídeos :
Noctem - Under The Seas Of Silence : http://youtu.be/RGHrCfyfw4I
Heavenwood - Emotional Wound - http://youtu.be/InfTWdcaHao
Heavenwood - Suicidal Letters - http://youtu.be/b52L9w7n834
Heavenwood - Arcadia Order - http://youtu.be/TMwmTpiAvg0
Hate In Flesh - http://youtu.be/RWlg8Q0qePA
 

15/07/2012

Heavenwood (entrevista) : Concerto com Noctem em Lisboa, novidades sobre o novo álbum e muito mais (com vídeos)

É já na próxima quinta-feira, dia 19 de Julho, na República da Música de Alvalade, que o público lisboeta terá oportunidade de rever a banda de Gothic Metal do Porto, um dos expoentes do género.
Será o aguardado regresso dos Heavenwood a Lisboa, alguns anos após terem vindo mostrar o álbum 'Redemption', que assinalou o regresso da banda ao activo, em 2008, após alguns anos de hiato. Desta feita trazem também na bagagem o aclamado 'Abyss Masterpiece' para o que se espera poder ser um concerto retrospectivo da carreira da banda.

Foi a propósito deste concerto que falámos com o guitarrista da banda, Ricardo Dias, que nos dá umas dicas sobre o que podemos esperar, bem como qual o andamento do novo álbum, prejudicado por um incêndio que deflagrou nos estúdios usados pela banda :

Songs for the Deaf Radio : Ricardo, ainda estamos na ressaca do excelente Abyss Masterpiece : apesar da intemporalidade dos álbuns anteriores, sentes que possa vir a ficar como um marco ímpar na vossa carreira? 
Ricardo Dias (Heavenwood) : Acredito que sim, no final de contas não somos apologistas da composição e lançamento de álbums por imposição ou limite de tempo. O Processo de criação deve ser intuitivo, é fruto de todo o tipo de influências, experiências ou vivências. Acredito que nos dias de hoje o “ ouvinte “ desenvolveu uma capacidade enorme em termos de sensibilidade auditiva, ou seja, quem aprecia e ouve música tem a perfeita consciência se está a ouvir algo “ forçado “ ou algo natural. A música deve falar por si da mesma forma que o conceito lírico de uma banda e naturalmente será eleito como marco ou não ao longo do tempo. Será o álbum o culminar de uma evolução musical, ou poderemos ainda ser mais surpreendidos num próximo trabalho? O Factor surpresa é muito importante, de preferência que seja uma boa surpresa !!

SFTD Radio : Acerca do próximo trabalho, já se sabe que andam a preparar qualquer coisa, pelos pequenos teasers/trechos divulgados : como vai esse projecto?
Ricardo Dias :   Sim, HEAVENWOOD tem estado a trabalhar nas pré-produções para o 5º album, será baseado no Tarot dos Boémios do ocultista Papus, e será uma surpresa além da mera experiência auditiva!!!

SFTD Radio : Os vossos trabalhos (tanto pela qualidade musical como de produção) têm como alvo também o mercado internacional : como faz uma banda portuguesa para lá chegar?
Ricardo Dias : Existem 3 factores : Qualidade, Trabalho e Sorte, é esta a dica! 

SFTD Radio : Sendo uma banda que já viveu momentos altos e outros menos bons, o que a experiência vos diz da cena actual : têm sentido nela alguma evolução? 
Ricardo Dias : Sinto mudança, evolução é subjectivo.. 

SFTD Radio : Relativamente ao concerto do próximo dia 19 na República da Música em Alvalade, que se pode esperar da vossa actuação?
Ricardo Dias : Os HEAVENWOOD de corpo e alma ao que consideramos ser desde sempre a nossa 2º casa : Lisboa foi muito importante para o começo dos HEAVENWOOD e jamais podemos esquecer todo o apoio e suporte que recebemos, ainda hoje, da capital !

SFTD Radio : Será baseado no último álbum, ou uma espécie de Best Of da carreira?
Ricardo Dias : Será uma salada de frutas heavenwoodesca

SFTD Radio : Quais as vossas expectativas para a adesão do público (nomeadamente com as dificuldades que o país atravessa, bem como a imensa oferta de concertos e festivais por todo o país) ?
Ricardo Dias : Acredito que haverá uma excelente adesão, a média dos concertos de HEAVENWOOD oscila entre as 250 a 600 pessoas por isso acredito que essa estatística não será defraudada tendo em conta a centralização do local e o factor LISBOA.

SFTD Radio : Para terminar e relativamente ao incêndio que deflagrou no estúdio : o Bruno (guitarrista)  está bem?
Ricardo Dias : Sim, psicologicamente afectado mas com os pés na terra.

SFTD Radio :  Sabe-se que houve perdas grandes. Sendo um duro golpe para vocês, poderá afectar o futuro próximo da banda?
Ricardo Dias : As perdas foram avultadas a todos os níveis. Foi um golpe mas não foi um golpe K.O por isso “ levanta-te e rí “ :). Afectar ? Jamais, simplesmente serve para dar mais alento e expurgar ou transformar o negativismo no dobro do positivismo !!
(Entrevista por Nuno Santos)

HEAVENWOOD - 13th Moon


No dia 19, a outra grande atracção do cartaz serão os espanhóis Noctem, banda de Blackened Death Metal, que está em digressão a promover o recentíssimo 'Oblivion' que tem recebido excelentes criticas a nivel mundial. Os Noctem voltam para mais um concerto em Portugal, esta banda continua a conquistar novos adeptos aquém e além fronteiras com o seu som poderosíssimo e uma enorme presença. Uma actuação a não perder como podem verificar no seu mais recente clip "The arrival of the False Gods".

NOCTEM - The Arrival of the False Guards

O evento, organizado pela RDA Management, contará também com as actuações dos portugueses Hang The Traitor, Hate in Flesh, Inffection e Lunae Lumen. As hostilidades começam às 21h30, e segue pela noite dentro ao som do DJ convidado António Freitas (Antena 3). (Toda a informação do evento aqui)

PROMO



A Songs For The Deaf Radio não deixará de marcar presença : encontra tudo na nossa página do facebook.


13/07/2012

Muse divulgam alinhamento do novo álbum

Os MUSE revelaram hoje o alinhamento do seu próximo álbum.
O sucessor de The Resistance chama-se The 2nd Law e será o sexto álbum da banda, tendo data de lançamento prevista para 17 de Setembro.





Tracklist
Supremacy
Madness
Panic Station
Prelude
Survival
Follow Me
Animals
Explorers
Big Freeze
Save Me
Liquid State
The 2nd Law: Unsustainable
The 2nd Law: Isolated System

Vê aqui o trailer do álbum, onde se pode perceber que vem algo de novo :
 
Entretanto já tinham composto o tema oficial dos Jogos Olímpicos de Londres 2012, Survival :

09/07/2012

Warm Up Metal GDL - Grândola 07-07-2012


A chegada a Grândola fez-se tranquilamente e não foi difícil identificar o local escolhido para o Warm Up do Metal GDL. Pois, para além de estarmos muito perto de onde acontece habitualmente o evento, bastou seguir o som das bandas que desde as 17h iam revezando-se a tocar para o concurso a decorrer (durante 25m essas bandas tinham que dar provas que mereciam um lugar no próximo Metal GDL). Das seis bandas a concurso, Dreadfire, Terror Empire, Backflip, Brutal Brain Damage, Creation Undone e In Chaos, saíram duas vencedoras: os Creation Undone cuja vocalista tinha um gutural poderoso em oposição à sua natural voz suave quando falava com o público; e os In Chaos que encheram o local com os seus riffs e melodias. Como prémio cada uma destas bandas tocará no Metal GDL em Grândola no final do mês de Setembro. Assim, para quem ainda não os conhece, será uma óptima oportunidade para o fazer.

Entretanto, por volta das 21h houve um intervalo de cerca de 1h para o jantar e recuperar energias para os concertos que iam seguir-se. Deste modo, só depois das 22h subiram ao palco os Grankapo. banda de Hardcore portuguesa que já partilhou o palco com os Slayer e os Iron Maiden. Os Grankapo foram os escolhidos para dar o sinal de partida para a noite enérgica que todos aguardavam, e assim mal começaram a tocar Sinner Of The World, tema do seu último álbum de The Truth (2011), o movimento intenso, revolto e recheado de moshes na frente do palco foi imediato. Num espaço composto por dezenas de fãs de metal, foram tocando maioritariamente temas deste último trabalho e também do álbum Confessions (2008). Após tocarem 10 temas e uma interacção constante com o público, os Grankapo deram por encerrado o concerto, mas ainda com tempo para uma última musica, Say My Name.

Set List:
Sinner Of The World
Private Hell
4 Walls
Life Of Survival
Fuck You
Back To Hell
Left For Dead
Man Killing Man
We'll Never Die

My Son
Feel My Hate
Life Goes On
Say My Name

 

Chegou a vez dos Gwydion subirem ao palco, a banda de Viking Folk Metal. Começaram a sua actuação com Fara I Viking, e logo a dança de estilo celta, tomou temporariamente o lugar dos moshes, que mesmo assim foram inevitavelmente acontecendo durante o concerto. O som estava demasiado alto e confuso e por esse motivo não conseguia distinguir-se todos os instrumentos, principalmente as guitarras e o baixo. Este facto fez com que os temas não soassem como deveriam e acabaram por perder o impacto expectável de uma banda de Viking Folk Metal. Terminaram com Six Trial To Become a Beerzerker.
Set List:
Fara I Viking
From Hell
Mead of Poetry
Triskelion Horde
Odhinn's Cult
Six Trials To Become a Beerzerker


Quando os Switchtense subiram ao proscénio já a maioria dos presentes tinham-se deslocado para a frente do palco para recomeçar as hostilidades. A banda da Moita, que ainda no mês passado andou em tour em Espanha com os Sepultura, estava cheia de energia e garra como já é habitual nos seus concertos. Em Face Off, o segundo tema da sua actuação, o turbilhão na frente do palco ganhou avanço e espectacularidade. O público estava imparável entre moshes e crowd surfing que prolongariam-se até ao fim. A brutalidade e o poder que emanavam do palco eram reflectidos no público que correspondia na perfeição. Ao chegar ao fim com Infected Blood, ninguém arredou pé e pediram mais, assim, houve tempo ainda para mais um encore com Blood Of Victory e Cowboys From Hell, tema dos Pantera, que foi tocado na perfeição. Os Switchtense tiveram ainda três convidados de honra: o primeiro a partilhar o palco foi Fuck, o vocalista dos Grankapo, e posteriormente Ricardo dos For The Glory, e ainda Pica dos Seven Stiches.

Set List:
This Is Only
Face Off
Into The Words Of Chaos
Second Life
Unbreakable
I Will Stand Stronger
In Front of Your Eyes
Head of State
The Legacy Of Hate
State Of Resignation
Let Him Die Alone
Infected Blood
Encore:
Blood Of Victory
Cowboys From Hell (Pantera)


Em Setembro, haverá mais e será nos dias 27, 28 e 29 de Setembro que decorrerá a 7ª edição do Metal GDL em Grândola.



Por: Miriam Mateus
Fotos e video: Nuno Santos

Mais fotos: Clica Aqui.

03/07/2012

Reportagem Rockline Tribe Fest, Room5, 30-06-2012


Foi no passado sábado que o segundo Rockline Tribe Fest levou centenas de pessoas ao rubro. Foi sem dúvida uma noite intensa e especialmente enérgica.  No palco estiveram quatro bandas que deram o melhor de si, cada uma no seu próprio estilo mas todas cheias de garra e poder.

Os Adamantine, a banda que toca um estilo de Thrash Melódico abriram a noite. Por essa altura e pouco depois da hora programada para o início das hostilidade, já o Room 5 estava composto e preparado para a injecção de adrenalina a que se iria dar início. Em Death Comes To Us All, o segundo tema da noite, o público presente respondeu com agitação na frente do palco e moshes, mas foi em Generation Of Saviors que o público, já embalado, acompanhou o tema com a banda. Apesar da energia que emanava do palco e provavelmente por ser a primeira banda a actuar, foi de notar o som confuso e pouco nítido dos instrumentos, o que por vezes dificultava a identificação dos temas à primeira e acabou por não fazer jus aos mesmos. Terminaram com As The World Dies.

Set list:
Intro
Chaos Genesis
Death Comes To Us All
Mechanical Empire
Generation of Saviours
Poisoning The Well
Trash And Devastate
As The World Dies

Após um breve intervalo, foi a vez de For the Glory uma das bandas referência do Hardcore português, pisarem o palco. Demorou apenas alguns segundos para a zona frontal ficar apinhada e agitada à beira do momento de eclodir. Mal se ouviu Armor of Steel o mar de gente rebentou em moshes e crowd surfing. Este seria o cenário do princípio ao fim, a banda que não teve um set list definido, ia tocando os temas conforme ia sentido, intercalando-os com gritos de revolta. A agitação fez-se sentir igualmente no palco, reforçada com a presença dos fãs que subiam até ele para lançarem-se sobre a multidão. Com um convidado especial, Hugo o vocalista de Switchtense, tocaram o tema Life Is a Carousel, do seu último álbum com o mesmo nome. Foi simplesmente brutal. Terminaram com Survival Of The Fittest seguido ainda por um encore do tema Fallen Mask, dando por encerrado um concerto intenso.

Set List (incompleto):
Armor of Steel
Life Is a Carousel
Survival Of The Fittest
Encore:
Fallen Mask

Mais um interregno e chegou a vez dos W.A.K.O. invadirem o espaço. Desde o seu primeiro tema Dissonant Dark Dance, que o público retorquiu com moshes e circle pits. Numa actuação que mostrou-se coesa e enérgica até ao último tema da noite, Nuno o vocalista, que saltava frequentemente e explodia em energia, foi interagindo com o público pedindo cada vez mais e este foi correspondendo. Foi em Extispicium que pediu que se fizesse um Wall of Death, e quando gritou “I will crush you” a parede da morte rebentou em brutalidade assim como a própria essência da palavra o descreve. Foi uma actuação que mostrou-se coesa e enérgica desde o primeiro ao último tema da noite. Se havia dúvidas que o público pudesse não ser levado até à dimensão insana para onde a banda pretende conduzi-los, essa ficou certamente dissipada. Terminaram com Unknown Life Form.

Set List:
Dissonant Dark Dance
Eternal Spiral
Ship Of Fools
Nihilist War God
Extispicium
Drifting Beyond Reality
Abyss
Coded Message Of Death
Coronation Of Existence
Unknown Life Form


TwentyInchBuryal,    banda    que    está actualmente inactiva após uma bela carreira no Metal/Hardcore nacional, juntaram-se para mais um concerto, declarando mesmo que este seria o seu último. Foi um concerto nostálgico para alguns, em virtude de recordarem temas que marcaram a história da banda, englobando no entanto quatro temas do seu último álbum The Void We Carry. Desde o início que a agitação foi uma constante na frente do palco, por entre a sublevação e o movimento a banda ia puxando pelo público que não se fazia rogado. Após o tema 30 Minutes Journey, e apesar dos fãs pedirem mais, deram por terminado o concerto.

Set List:
Octopus
Hanging In The Cross Of Doubt
My World Without You
Honesty Kills And The Music Plays On
Evil Made Manifest
You Know So Much About Nothing At All
A Little Go In Cambridge
Amo-Te
Valentine´s Left To Perish
Excuses
Relight
30 Minutes Journey

Grande parte do público saiu logo após o último concerto, mas houve ainda quem se juntasse ao after-party com os DJ’s Izzy&Carlão e o convidado especial António Freitas. Esta foi sem dúvida uma noite banhada de poder e intensidade.

Por: Miriam Mateus

Fotos: Nuno Santos
Para mais fotos, clica aqui.



Veja também: